SindimotoSP participa do 3º Seminário de Segurança no Trânsito promovido pela Folha de São Paulo

Para os especialistas participantes do seminário, a conclusão e que as motos devem ser prioridade em campanhas de conscientização em combate aos acidentes de trânsito, além de  fiscalizar as empresas de aplicativos de entregas  que são entraves para redução dos acidentes, em 2018, elas foram responsáveis por mais de 18% das mortes em São Paulo.

“ Não podemos admitir que , em nome da liberdade, uma série de conquistas e direitos sejam rediscutidos. Um principio não deve  estar acima da preservação da vida, o argumento da liberdade individual deve ser usado com cuidado pois teria servido no passado inclusive para justificar a escravidão no pais, dizia que os escravos podiam trabalhar porque pelo menos estava garantido a comida. Em breve a prefeitura criará uma regulamentação que garanta maior segurança aos entregador  e regras para as empresas e tomadores de serviços. Houve aumento nas mortes porque os aplicativos estão compensado financeiramente os que fazem mais entregas”.

“As motocicletas vieram para ficar, e inclusão social, qualidade de vida, mobilidade, meio de transporte e emprego de milhões de pessoas, não isentamos de culpas por partes dos motociclistas temerários, o pode público precisa entender que a proibição  não e caminho certo, segregar as motos só transfere  de lugar o problema, e uma medida preconceituosa, e preciso investir urgente em  educação, conscientização e capacitação, porque temos milhões em investimento para bike e zero para as motos. 

É urgente a necessidade das empresas de Apps de entregas cumprirem as leis existentes (Lei Federal 12.009/09, 12.997/14 e Lei Municipal 14.491/07), deixando de criar estímulos e prêmios por metas de entregas, porque quanto mais correr mais  ganham os motociclistas. Isso é proibido pela Lei Federal 12.436/11, que prevê multa de mais de 3 mil reais por motociclistas para empresas ou tomadores de serviços”.