SOLICITAÇÃO PÚBLICA DE ATENDIMENTO DO GOVERNO AO SINDIMOTOSP

Os motoboys querem levar mercadorias, e não vírus A pandemia do coronavírus mudou a vida de todo o mundo. Literalmente. 

Pessoas estão sendo obrigadas a ficar isoladas em suas casas enquanto outras viraram heróis da sociedade, como os médicos, enfermeiros, lixeiros e os motoboys.

 Estes últimos têm sido responsáveis por manter ativo o comércio, ao fazer entregas de produtos e mercadorias a domicílio, uma vez que governos autorizaram a continuidade desse serviço comercial como se fosse de utilidade pública, sem se preocupar com a questão da segurança sanitária e da remuneração desses profissionais.

O SINDIMOTO de São Paulo, entidade filiada à União Geral dos Trabalhadores (UGT) e que representa esses profissionais, repudia a forma com que as empresas, delivery, plataformas digitais (App) e o governo estão delegando à categoria de motofretistas o dever de realizar entregas em domicílio: sem parâmetros mínimos de segurança sanitária.

A determinação do isolamento social e do fechamento de lojas e restaurantes tem como objetivo evitar a disseminação do coronavírus. Mas, ao solicitar um serviço de delivery, se não houver o devido cuidado para com os entregadores, o vírus se espalhará da mesma forma.

A Prefeitura de São Paulo divulgou que está em conversa com o SINDIMOTO, mas a mesma não aconteceu.

Por isso, ao lado da UGT, solicitamos publicamente que o prefeito de São Paulo, sr. Bruno Covas, e o governador do Estado, sr. João Dória, recebam o SINDIMOTO para, juntos, encontrarmos soluções para que os motoboys continuem trabalhando, desde que seja para entregar produtos, e não vírus.

A solicitação se estende ao governo federal, nas pessoas do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Saúde, sr. Luiz Henrique Mandetta.

Atenciosamente, Gil – presidente do SindimotoSP

Ricardo Patah – presidente nacional da União Geral dos Trabalhadores

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *