Tire suas dúvidas sobre o EstaR digital, que começa a funcionar nesta segunda-feira

A espera acabou e nesta segunda-feira (16) começa a funcionar o EstaR Eletrônico em Curitiba. Com a mudança, até o dia 10 de maio, os motoristas da capital paranaense vão passar por um período para se adaptarem, portanto ainda é possível usar o conhecido EstaR de papel. Apesar disso, no dia 11 de maio o pagamento só vai ser possível pelos apps das empresas credenciadas.

Desde a sexta-feira (13), a compra dos créditos de estacionamento já foi habilitada no app Zul EstaR Digital. Essa é uma forma de os motoristas poderem ir, aos poucos, se adaptando com a mudança. Isso porque no novo modelo é tudo feito pelo celular, num aplicativo que permite até mesmo prolongar o período de estacionamento, onde o motorista estiver.

Como faço para usar?

Os motoristas vão ter que baixar o aplicativo pela loja de aplicativos, tanto do iOS como para o Android. Depois disso, é necessário fazer um cadastro no app escolhido, colocando a placa do veículo, a localização, o tempo de permanência e fazer o pagamento. Os motoristas vão poder comprar créditos pelo aplicativo de celular ou também pelos totens e pontos de venda do comércio.

Quais são os apps?

De acordo com a Urbs, até agora são oito aplicativos legalizados para a venda de créditos em Curitiba: Zul Digital, Faz Digital Curitiba, Transitabile, Iomob, Cidatec, El Parking, Areatec e Amaralina. Os apps podem ser achados nas lojas de aplicativos de cada sistema operacional e também através do QR Code nas placas de sinalização do EstaR eletrônico nas ruas.

O preço do EstaR vai mudar?

Com a nova forma de uso, o preço do crédito de estacionamento vai ser de R$ 3 a hora. No entanto, ao fim da utilização da vaga, o motorista vai poder optar pelo pagamento fracionado de R$ 0,75 para cada quinze minutos estacionados, ou seja, você não precisa mais pagar pela hora cheia, como funciona com o de papel, que só pode ser usado uma vez.

Estou sem celular, e agora?

Quem ficar sem celular, seja por não ter o aparelho ou por falta de bateria, vai poder comprar os créditos em algum dos pontos de venda credenciados no comércio. De acordo com a Urbs, vão ser pelo menos 400 pontos de venda, que devem estar divididos em 50 por aplicativo homologado. Onde não tiver algum ponto de venda próximo, as empresas dos aplicativos vão instalar totens para a compra dos créditos.

Como vão fiscalizar?

Isso também vai mudar para os agentes de trânsito, que hoje em dia passam verificando carro por carro. Com a novidade, os agentes da Setran vão ter acesso a um dispositivo com a geolocalização dos carros estacionados em cada área. Se o veículo estiver sem o EstaR, ou com o prazo vencido, o motorista poderá ser multdo. Apesar disso, quando o prazo do EstaR estiver para vencer, o sistema dos apps também vai enviar uma mensagem ao motorista, que vai poder renovar o tempo de uso ou correr para trocar o carro do local, caso já tenha ultrapassado o tempo limite.

E se levar multa, como faço?

Da mesma forma que o EstaR, a regularização da multa também ficou digital. Os motoristas que levarem uma multa vão pagar uma taxa pelo site da Urbs e não mais em casas lotéricas. Agora, a regularização da multa vai custar R$ 30 e o motorista não vai mais receber mais o talão de papel com 10 cartões ou crédito correspondente ao regularizar a notificação. Caso não regularize, o prejuízo pode ser ainda maior, já que a infração é considerada de natureza grave, com multa de R$ 195,23 e cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

As motos vão pagar EstaR?

Por enquanto não. A Urbs estuda usar o modelo no futuro apenas para motos de passeio – as de serviço, com placas vermelhas, devem ser isentas – mas isso só deve ser implantado, por meio de portaria, após a consolidação do EstaR eletrônico para automóveis.

Como faço para usar?

Os motoristas vão ter que baixar o aplicativo pela loja de aplicativos, tanto do iOS como para o Android. Depois disso, é necessário fazer um cadastro no app escolhido, colocando a placa do veículo, a localização, o tempo de permanência e fazer o pagamento. Os motoristas vão poder comprar créditos pelo aplicativo de celular ou também pelos totens e pontos de venda do comércio.

Quais são os apps?

De acordo com a Urbs, até agora são oito aplicativos legalizados para a venda de créditos em Curitiba: Zul Digital, Faz Digital Curitiba, Transitabile, Iomob, Cidatec, El Parking, Areatec e Amaralina. Os apps podem ser achados nas lojas de aplicativos de cada sistema operacional e também através do QR Code nas placas de sinalização do EstaR eletrônico nas ruas.

O preço do EstaR vai mudar?

Com a nova forma de uso, o preço do crédito de estacionamento vai ser de R$ 3 a hora. No entanto, ao fim da utilização da vaga, o motorista vai poder optar pelo pagamento fracionado de R$ 0,75 para cada quinze minutos estacionados, ou seja, você não precisa mais pagar pela hora cheia, como funciona com o de papel, que só pode ser usado uma vez.

Estou sem celular, e agora?

Quem ficar sem celular, seja por não ter o aparelho ou por falta de bateria, vai poder comprar os créditos em algum dos pontos de venda credenciados no comércio. De acordo com a Urbs, vão ser pelo menos 400 pontos de venda, que devem estar divididos em 50 por aplicativo homologado. Onde não tiver algum ponto de venda próximo, as empresas dos aplicativos vão instalar totens para a compra dos créditos.

Como vão fiscalizar?

Isso também vai mudar para os agentes de trânsito, que hoje em dia passam verificando carro por carro. Com a novidade, os agentes da Setran vão ter acesso a um dispositivo com a geolocalização dos carros estacionados em cada área. Se o veículo estiver sem o EstaR, ou com o prazo vencido, o motorista poderá ser multdo. Apesar disso, quando o prazo do EstaR estiver para vencer, o sistema dos apps também vai enviar uma mensagem ao motorista, que vai poder renovar o tempo de uso ou correr para trocar o carro do local, caso já tenha ultrapassado o tempo limite.

E se levar multa, como faço?

Da mesma forma que o EstaR, a regularização da multa também ficou digital. Os motoristas que levarem uma multa vão pagar uma taxa pelo site da Urbs e não mais em casas lotéricas. Agora, a regularização da multa vai custar R$ 30 e o motorista não vai mais receber mais o talão de papel com 10 cartões ou crédito correspondente ao regularizar a notificação. Caso não regularize, o prejuízo pode ser ainda maior, já que a infração é considerada de natureza grave, com multa de R$ 195,23 e cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

As motos vão pagar EstaR?

Por enquanto não. A Urbs estuda usar o modelo no futuro apenas para motos de passeio – as de serviço, com placas vermelhas, devem ser isentas – mas isso só deve ser implantado, por meio de portaria, após a consolidação do EstaR eletrônico para automóveis.

Fonte:https://ricmais.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *