Quinta, 21 de Outubro de 2021 02:38
(11) 5090-2240
13°

Nuvens esparsas

São Paulo - SP

Dólar com.

R$ 5,6

Euro

R$ 6,52

Peso Arg.

R$ 0,06

Destaque Números alarmantes

DATASUS indica aumento de gastos com internações relacionadas a acidentes de trânsito em SP

Homens entre 15 e 39 estão no topo da lista de óbitos ou "sequelados"

07/10/2021 08h41 Atualizada há 2 semanas
Por: Redação Fonte: Jornal A Voz do Motoboy - Detran.SP - DATASUS
Jornal A Voz do Motoboy
Jornal A Voz do Motoboy

Soma-se as estatísticas, os atendimentos na rede pública de saúde relacionados a acidentes de trânsito na capital em 2020, que somaram 7.233, envolvendo 483 pacientes. Até agosto de 2021 aconteceram 8.053 acidentes e 515 pacientes receberam atendimento em hospitais públicos. O número de sequelados é um pouco menor do que da média móvel atual de mortos pela Covid, que tem mostrado queda.

A maioria dessas vítimas é de homens, entre 15 a 39 anos, envolvidos em acidentes com moto. Aliás, o Estado de São Paulo marca 5.2 mortos por dia, de motociclistas. Na capital, o número é de 0.9 óbito por dia.

O impressionante é que o estado já teve uma redução significativa em relação aos últimos seis anos. Entre janeiro de 2015, quando o governo paulista lançou o Programa Respeito à Vida e lançou o sistema Infosiga, e agosto de 2021, houve diminuição de 1.383 mortes no trânsito paulista. No ranking das vidas que não foram perdidas durante esse período destaca-se a queda de óbitos entre os pedestres, que foi de 651.

Ainda de acordo com o Infosiga, de janeiro a agosto deste ano, 3.197 óbitos foram registrados no Estado de São Paulo. Ou seja, em pouco mais de 240 dias, a média de óbitos no trânsito foi de 13,2 vítimas perdidas.

Para Ana Carolina Soares Bertho, pesquisadora na Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), além do comportamento das pessoas e das atitudes individuais, é preciso rever as opções de modais que transportam as pessoas: “nota-se que há mais acidentes envolvendo o individual do que o coletivo. Há menos ocorrências nas viagens diárias de transporte público do que em carros ou motos. Por terem uma velocidade mais limitada se tornam menos letais.”

Leia também Vereadores da CPI dos Aplicativos votam requerimentos; momentos de tensão marcaram audiência

Você sabia que no Brasil existe uma federação de motociclistas profissionais que luta pelos direitos de motoboys, mototaxistas e ciclistas profissionais em TODO país? Não?

Então clique aqui e conheça o trabalho da FEBRAMOTO.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.